Big Smoke: o nevoeiro de 1952, uma data a ser lembrada.

Londres, 4 de dezembro de 1952, um ar quente proveniente do Atlântico avançou sobre a cidade e por lá ficou, ocorrendo um fenômeno, que segundo metereologistas chamaram de “inversão” de temperatura, que foi o aprisionamento por baixo do ar frio e úmido.  Diferente dos outros dias, que a cidade de Londres tinha ventos, nesse dia não houve vento para dispersar o nevoeiro. Na manhã de seguinte, a cidade encontrava-se abafada por um smog (fusão de 2 palavras inglesas fog=nevoeiro e smoke=fumaça) amarelo que só começou a levantar 3 dias depois.

No começo, não houve pânico, avisos, pronunciamento da imprensa, rádio, contra qualquer perigo a população, pois Londres já estava acostumada, com nevoeiros, os quais são comuns e famosos na cidade. Alguns hospitais notavam um aumento nos índices maior de pacientes, mortes também tiveram um aumento segundo encarregados de inquéritos,

Logo, Londres descobriria que esse nevoeiro, se tratava de um dos maiores desastres naturais já ocorrido no mundo, com a chegada do frio, na cidade, os habitantes queimaram mais carvão do que de costume, fazendo com que aumentasse a quantidade de poluentes, fumaça, partículas de carvão.

Naquela época, Londres enfrentava problemas econômicos no pós-guerra, fazendo assim a exportação do carvão de melhor qualidade para o aquecimento, com a falta de carvão de boa qualidade, a população de Londres passou a usar carvão de baixa qualidade, rico em enxofre, o que agravou muito o problema, fazendo com que ficasse impossibilitado o transito de automóveis nas ruas, e cancelados diversos eventos, devido à invasão de fumaça, em locais fechados.

Nas semanas seguintes, estatísticas levantes por serviços médicos, apuraram que o nevoeiro havia matado 4 mil pessoas, na maioria por causa de conseqüência de infecções respiratórias, e também por obstrução mecânica das vias respiratórias superiores por deposição de secreções causadas pela fumaça negra.

A partir desse ocorrido e do grande numero de mortes, se teve um grande impulso aos movimentos ambientais, levando a reflexão sobre a poluição do ar, novas regulamentações legais foram baixadas e normas restringindo a poluição do ar.

Agora fica uma questão fácil de ser respondida… Será que temos que esperar um desastre para tomarmos providencia, mortes tem que ocorrer para abrirmos nossos olhos sobre o que estamos provocando ao ambiente?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade