Chorão – Um rebelde sonhador

Para chegar ao posto de vocalista de uma das bandas de rock mais famosas do Brasil, obtendo reconhecimento e respeito, Chorão passou por uma longa jornada que não foi nada fácil. Nascido em São Paulo no dia 09 de abril de 1970 como Alexandre Magno Abrão, teve uma vida humilde e difícil, principalmente na adolescência, fase em que era mais rebelde, indo mal na escola, ficando na rua e envolvendo-se em confusões, inclusive com a polícia. Seus pais se separaram quando tinha 11 anos, e aos 14, quase perdeu a mãe em um derrame.
Foi também nesse período que sua paixão pela música despertou. Outra paixão era andar de skate; Chorão participava de campeonatos e chegou a ser vice-campeão paulista. E foi nas pistas que surgiu seu apelido: antes de aprender a andar de skate, ficava vendo os amigos andarem, e um deles ao passar por ele, soltou a frase: “- Não chora”! Dizem que o apelido também se refere ao fato de que o cantor chorava por qualquer coisa.
A carreira musical teve início em um bar em Santos, quando tinha 17 anos. Ao substituir o vocalista de uma banda durante um break, Chorão se destacou cantando uma música do “Suicidal Tendencies”, atraindo o coro da plateia: “- Chorão no vocal! Chorão no vocal!” e um convite para ser vocalista de uma banda. Mais tarde, conheceu os outros rapazes que formaram o Charlie Brown Jr, banda lançada em 1992. O sucesso veio rápido, mas demorou um pouco para Chorão se estabelecer. Nos primeiros anos ainda passava por momentos difíceis, passava fome mesmo. E olha que ele já fez de tudo, vendeu cartões de Natal, trabalhou como auxiliar de câmera, caboman, iluminador e entregador de pastéis feitos por sua mãe, que era doméstica. Hoje Chorão se orgulha de seu passado porque pode incentivar as pessoas a acreditarem em seus sonhos mesmo que não tenham condições financeiras. Tudo depende de muita luta, talento e determinação.
Chorão ainda tem um espírito rebelde e faz uso dele para passar mensagens em suas canções e se manifestar a respeito de problemas políticos e sociais. Os álbuns “Transpiração Contínua Prolongada” e “Preço Curto… Prazo Longo” retratam o suor diante da caminhada da vida. Em 2001 perdeu o pai e deu uma pausa na banda.
Polêmicas ainda o acompanham; em 2004, Chorão quebrou o nariz de Marcelo Camelo, líder da banda Los Hermanos, após ser criticado pela sua atuação como garoto-propaganda da Coca-Cola. Após a saída de alguns integrantes, o Charlie Brown Jr montou uma nova formação no ano de 2005 e continua fazendo sucesso no mundo da música até hoje.

Trabalhos paralelos

Em 2006 Chorão inaugurou em Santos um espaço moderno para skatistas e músicos, chamado Chorão Skate Park.

Em 2007 se envolveu como escritor e roteirista no filme “O Magnata”, dirigido por Johnny Araújo.

Em 2009 lançou em São Paulo a sua grife de roupas, intitulada DO.CE”dose certa”.

8 Responses to Chorão – Um rebelde sonhador

    • Rafael Rodrigues says:

      Complicado mesmo, o Brasil e o mundo todo perde um grande músico hoje, mas o legado dele não vai acabar nunca, assim como de outros músicos não acabou, a música e letras dele ficarão eternamente entre os fãs

  • muita gente lamentou sua morte falaram tanto de seus sucesso da sua fama isso e muito bom, mais falando do lado espiritual,sera que ele tava preparado pra infrentar a eternidade?sera que ele tinha entregado a sua vida a jesus?olha ai o causo e muito serio heim, e com DEUS agora, a vida se acaba aqui, mais continua na eternidade,com DEUS ou sem DEUS, lembrando que no ceu nao entra:bebados,nao entra viciados,nao entra idolatria,nao entra adulteros,nao entra todos aqueles que se esquecem de DEUS,mais pode ser que ele pela misericordia de DEUS alcançou um lugarsinho la no ceu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade