Meninas lobas

Esse mundo é mesmo estranho. Quem poderia imaginar crianças sendo criadas por lobos?! O fato é que isso já aconteceu com algumas crianças.
Na Índia, em 1941, um padre relatou tal situação a pesquisadores das Universidades de Denver e Yale sobre duas meninas que haviam sido criadas por lobos.
O mais curioso é que elas conseguiam se comportar da mesma forma que os animais que as criaram. Corriam sobre os quatro membros, moravam em uma caverna, enxergavam no escuro, pegavam seus alimentos com a boca, ficavam com as orelhas em pé ao ouvir o menor ruído. À noite ainda uivavam três vezes, tal quais fazem os lobos. Essas meninas foram chamadas de Amala e Kamala.
Amala morreu 1 ano e meio depois, segundo algumas pessoas, pela dificuldade em se adaptar a nova vida, pois sua alimentação era diferente, já que não tinha mais carne crua e podre para comer, Kamala, conseguiu viver mais tempo, viveu mais 9 anos, após ser encontrada. Foram nove anos de pesquisas tentando educá-las (no caso de Kamala) para torná-las, mais humanas e deixar de lado o comportamento de lobo. As poucas mudanças que conseguiram não foram significativas. Kamala demonstrou pela primeira vez emoção ao chorar, quando sua irmã faleceu, e antes de morrer conhecia apenas 50 palavras.
Além do caso de Amala e Kamala, temos também Victor de Aveyron, um adolescente encontrado nas florestas do sul da França aos 12 anos e o menino que tinha comportamento de urso encontrado na Lituânia, ambos entre os séculos XVIII e XIX.

Verdades ou mitos? Amala e Kamala dizem ser a maior fraude contada como fato real, para que o orfanato obtivesse dinheiro, Vitor para algumas pessoas foi o primeiro caso documento de autismo.

É fato que conforme vivemos em determinadas regiões, e somos criados a partir de culturas e costumes diferentes, cultivamos certas “manias” e agimos muitas vezes diferentemente de alguém que não cresceu na mesma região, então seriam mesmo apenas mitos essa história relatada? Fica aí a duvida e o espaço aberto para comentarem sobre o assunto…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Publicidade