Meninas rebeldes

 

Tenho observado que muitas jovens entre 15 e 20 anos tem buscado cada vez mais por popularidade e por muitos amigos. As grandes redes sociais são prova disso.
A grande maioria delas buscam nas amizades aquilo que acreditam não ser possível encontrar na família. Se tornam revoltadas com os pais, em alguns casos sentem ciúmes dos irmãos achando que eles têm mais atenção e são mais queridos e procuram passar cada vez menos tempo dentro de casa.
Este comportamento tem sido muito comum nas casas de muitos brasileiros e gera nestas jovens insegurança quanto à sua carreira profissional, aos estudos, ficam depressivas, costumam ingerir bebidas alcoólicas com mais frequencia e, em casos mais graves quando os amigos não são boa influência, acabam aderindo ao uso de drogas.
A principal alegação dessas moças é que a família não as compreende, sentem-se abandonadas e as brigas com os pais são frequentes. Já os pais dizem que se preocupam com as filhas e por isso impõe uma postura mais rígida, cobram deles que se preocupem mais com os estudos, procurem conseguir emprego a partir dos 18 anos, entre outros.
Um fator que seria mais prejudicial nesta relação pais e filhas é as comparações feitas entre elas e os irmãos quando estes são tidos pelos pais como mais inteligentes, mais preparados para a vida, entre outras coisas. Conversando com estas jovens é possível notar que muitas delas sempre citam que se sentem menos queridas que os irmãos.
A relação familiar precisa ser mais afetiva. Conversando sempre e evitar discussões e brigas. Os pais devem ouvir mais as filhas, conversar sobre todos os assuntos, mas para isso elas precisam sentir confiança.
Temos então outro fator fundamental: confiança. Difícil de se conquistar e fácil de se perder.

Para as jovens, em geral, não se pode confiar todos os assuntos aos pais. Ter segredos é normal para qualquer um, mas muitos desses assuntos precisam ser discutidos entre eles: pais e filhas. Os pais precisam aconselhar as filhas sobre temas como sexo, gravidez, drogas, bebidas alcoólicas, namoro, baladas etc. É preciso sempre deixar claro para as filhas que se trata de conversa e não repreensão. Precisa haver um diálogo, não adianta apenas proibir, mas também educar sobre o que é certo e o que é errado, pois se a jovem se sente sem liberdade logo acabará seguindo o caminho contrário traçado pelos pais.

 

2 Responses to Meninas rebeldes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade