O bat beg está de volta

O barulhinho que está sendo ouvido por toda parte é bastante familiar para quem foi criança na década de 80 ou 90 e brincou com o bat beg. Sim, ele está de volta! E o sucesso não é só com a criançada, também é mania entre os adolescentes e adultos. Muitos pais aproveitam para relembrar a infância e ensinar a brincadeira aos filhos. Desde que ressurgiu neste ano, o brinquedo tem sido muito procurado e vendido no comércio popular. Simples e barato, é divertido e viciante para quem o manipula. Além de bat beg, é chamado de bolimbolacho, bate-bate, teco-teco e bat bag.

Como é o brinquedo

São duas bolas de plástico presas a dois fios de nylon enlaçadas a uma argola. Na brincadeira, as cordas devem ser agitadas para que as bolas girem em 180º em lados opostos para se chocarem de alto a baixo, e assim vai se repetindo continuamente em alta velocidade.

O ponto negativo do bat beg era o perigo que ele apresentava. As bolas eram pesadas, feitas de metal coberto por uma camada de plástico ou cerâmica, e muitas vezes machucavam as mãos na hora de uma manobra mal executada. Quando atingiam os dedos ou os pulsos era inchaço na certa! O brinquedo recebeu até o apelido de quebra-dedos e oferecendo o risco de lesões, acabou sumindo.

Em 2012, o bat beg voltou a ser popular e teve a contribuição da banda baiana LevaNóiz, que o divulgou no clipe musical “Bolimbolacho”.

A nova versão do brinquedo é bem mais leve, o que garante a segurança e ainda facilita a manobra. As bolas são feitas de um plástico mais mole, o PVC, e vêm com pulseira de proteção para o pulso. O preço é bem acessível, variando de R$1,50 a R$5,00.

E tem gente que se dedica à brincadeira mesmo. Há campeonatos de bat begs no Brasil que premiam em dinheiro os participantes que conseguem bater as bolinhas por mais tempo.

É interessante observar que mesmo diante de tanta tecnologia, algumas coisas super simples ainda possam circular. Isso é muito bom, pois às vezes essa simplicidade é mais prazerosa do que os aparatos eletrônicos. É uma boa distração.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade