Pato Donald – Mais de 70 anos de sucesso

Quem não conhece o Pato Donald? Dificilmente alguém não vai reconhecer esse pato de voz rouca com roupa de marinheiro, clássico da Disney prestes a completar 78 anos em contínuo sucesso. Criado em 1934, surgiu em um episódio da série Sinfonias chamado “The Wise Little Hen” (“A Galinha Sábia”), baseado na fábula de Esopo. Depois, junto a outros personagens como Pateta e Pluto, começou a aparecer nos desenhos de Mickey Mouse. O sucesso dele foi tanto que ganhou uma série própria em 1937, e aí não parou mais.

Seu nome completo é Donald Fauntleroy Duck. É resmungão, azarado e atrapalhado, características suficientes para fazê-lo engraçado (mesmo a contragosto). Donald é sobrinho do Tio Patinhas, o homem mais rico do mundo, namora a pata Margarida e tem três sobrinhos: Huguinho, Zezinho e Luizinho. Apesar da riqueza do tio, não tem um tostão e não para em emprego porque vive se metendo em confusão. Não se sabe muito a respeito de sua origem, mas segundo o roteirista Carl Barks, ele é filho de Hortência (irmã do Tio Patinhas) e Patoso (filho da Vovó Donalda), gêmeo de Dumbella (mãe de seus três sobrinhos).

Sua série animada no início tinha o nome de Don Donald e tinha apenas a personagem Margarida como secundária. Mais tarde, o tio, o sobrinho e outros personagens como o Professor Pardal e Gastão entraram para a história. Donald trava uma batalha contra o primo rico Gastão, pois ele representa o oposto de tudo que ele é e vive se gabando disso, além de tentar lhe roubar a namorada.

O dublador que fazia a voz granada do palco se chamava Clarence Nash, um humilde entregador de leite da zona rural de Watonga, Oklahoma. Nash tinha a habilidade para imitar sons de animais e chamou a atenção de Walt Disney enquanto recitava o poema Maria tinha um carneirinho. Convidado para fazer a voz do personagem, criou uma que consistia em falar palavras através de um tipo de “ruído”, feito com o canto da boca e os dentes molares, que lembrava o grasnado de um pato. Exerceu essa função por mais de 50 anos até sua morte em 1986.

No Gibi

Em 1938, tiras do pato Donald foram compiladas e publicadas em preto-e-branco no gibi Walt Disney´s Donald Duck. Alguns anos depois, um dos animadores da Disney resolveu adaptar uma história que teria Mickey, Donald, Pateta e Pluto apenas com a presença de Donald e os sobrinhos. Aí virou “Donald Duck Finds Pirate Gold” (Donald Encontra o Ouro dos Piratas), uma aventura publicada em 1942 para a série de revistas da Dell Comics chamada “Four Color”. Durou até 1967.

A primeira revista Pato Donald chegou ao Brasil em 1950 e foi a primeira publicação da Editora Abril, que foi responsável por sua distribuição por muitos anos. O humor na versão brasileira era mais acentuado e fez muito sucesso entre as crianças. As histórias passadas entre Donald e o vizinho Silva (Jones) eram as preferidas dos brasileiros.

Na Itália surgiu uma versão heróica do pato com uma identidade secreta: o Superpato, e no Japão a adaptação para mangas do videogame da Squaresoft Kingdom Hearts.

Na Televisão

O pato esteve em desenho feitos para o cinema que passaram a ser exibidos na TV, como DuckTales (1987-1990)“O point do Mickey” (The House of Mouse) e TV Quack Pack (1996-1997).

O Pato Donald foi criado e moldado em conjunto, começando por sua introdução nas tiras do Mickey por Floyd, seguido pela formação de características por Al Taliaferro, o humor à brasileira por Fukue, mas os créditos realmente pertencem a Carl Barks.

Roteirista e desenhista, produziu mais de 500 histórias acrescentando elementos importantes e um jeito brilhante de escrever.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade